Mandrilamento ou Mandrilhamento: descobrindo sobre o termo correto e conhecendo um pouco mais esta operação

A barra de mandrilar é uma ferramenta utilizada em equipamentos que realizam operações de furação ou fresamento, estando presente em furadeiras e tornos, sendo que esta barra também recebe o nome de mandril. Em furadeiras domésticas o mandril é a ponta do aparelho onde é fixada a broca.

Em uma explicação bem simples, como o mandril é uma peça utilizada para realizar o alisamento de uma peça, o nome deste processo é mandrilamento, com isso concluímos que o termo mandrilhamento não é o correto.

Observamos muitos informes na internet mencionando a operação com o termo mandrilhamento. Apesar de tal termo já ser de uso popular, no decorrer deste texto usaremos apenas a denominação mandrilamento ou mandrilagem para se referir a esta operação.

Cabe esclarecer que por esta operação também ser feita em tornos, o mandrilamento também é conhecimento por torneamento interno.

Qual o objetivo de uma operação de Mandrilamento?

Podemos dizer que o mandrilamento é um processo de usinagem de superfícies com o uso de uma ou mais ferramentas de corte, onde esta é fixada em uma barra de mandrilar de ângulo específico, para realizar uma determinada operação. Basicamente a operação tem por finalidade aumentar o diâmetro de pré-furos, atingindo estreitas tolerâncias dimensionais e aprimorando a qualidade da superfície usinada.

A versatilidade da máquina mandriladora é muito reconhecida, pois ela pode ser empregada em todas as etapas do processo de usinagem, sendo a sua principal vantagem a geração de uma grande economia de tempo no processo, pois permite usinar todos os lados da peça sem ter que ser removida da máquina. Apenas mudando a posição da mesa e da ferramenta de corte pode se realizar vários tipos de operações como o rosqueamento, a furação, a fresagem, o facelamento, além do próprio mandrilamento.

Em resumo podemos dizer que o mandrilamento é um processo de usinagem empregado para aumentar um furo em uma peça ou para melhorar a qualidade de um furo existente.

Quais os tipos de Mandrilamento que existem?

Normalmente a utilização de uma máquina mandriladora tem mais presença nas etapas finais dos processos de usinagem, visando à diminuição da geração de refugos e de peças com defeitos.  Devido a sua versatilidade há vários tipos de processos que ela pode realizar como: mandrilamento cilíndrico, mandrilamento cônico, mandrilamento esférico e o mandrilamento radial. Também encontramos operações similares onde são utilizados outros termos como mandrilamento de biela, mandrilamento de precisão, mandrilamento de bucha, mandrilamento de bloco, mandrilamento de tubos, mandrilamento de mancal, mandrilamento no torno, mandrilamento de furo, mandrilamento de cabeçote entre outras denominações de operações para um mesmo uso do equipamento de mandrilagem.

Como otimizar um processo de usinagem por Mandrilamento?

A otimização do processo de usinagem por mandrilamento é feito realizando-se o setup correto da ferramenta, onde a pastilha e os dados de corte devem ser cuidadosamente analisados para que se obtenha um elevado índice de controle dos cavacos formados. A escolha de um porta-ferramenta apropriado é de fundamental importância para se obter a estabilidade e a qualidade do furo. Mas um fator de otimização do processo de mandrilamento que é muito importante e por vezes é negligenciado, é a não utilização de um bom fluído de corte para mandrilamento.

Qual a importância do uso de um bom Fluído de Corte para Mandrilamento?

Na operação de mandrilamento é crítica a formação e o escoamento dos cavacos, notadamente em furos cegos. Para que este escoamento ocorra perfeitamente sem interferir no processo, isso só é possível com a utilização de um bom fluído de corte para mandrilamento.

O óleo para mandrilar tem por função resfriar o processo, aumentando a confiabilidade e a vida útil da ferramenta de corte. A qualidade da obtenção de uma boa geometria do furto está intimamente ligada ao uso de um bom fluído para mandrilar, pois a regulagem da velocidade e da pressão do lubrificante utilizada no processo interfere no acabamento da peça.

Um óleo para mandril inadequado pode propiciar a geração de cavacos longos que podem se acumular no furo, causando a deterioração do acabamento da superfície metálica. Um fluido de corte para mandrilamento de má qualidade pode também gerar entupimento do furo com os cavacos, levando à quebra da pastilha de corte.

Cabe informar que em um processo de mandrilamento a usinagem sem o uso da refrigeração de um óleo para mandrilar nunca é recomendada, notadamente para as operações realizadas em aços inoxidáveis.

Para um melhor rendimento e acabamento, o óleo lubrificante para mandrilamento deve ser aplicado tanto na rosca do parafuso, como na sua cabeça.

Muitas pessoas minimizam a importância do lubrificante e até reduzem ou removem a sua utilização do processo e razão de uma busca de redução de custo. Pois saiba que a lubrificação é um dos principais itens de manutenção das máquinas e equipamentos industriais, sendo responsável por efetivamente ampliar a vida útil dos equipamentos, e o uso de um bom fluído para mandrilar no processo de mandrilamento não pode ser desprezado ou renegado em razão de uma mínima redução de custos, já que o valor do lubrificante é inferior à 1% do gasto total de um processo de usinagem.

Fluído de Corte para Mandrilhamento Sintético ou Mineral, qual é a melhor opção?

Em uma próxima publicação abordaremos o tema acima, mas saiba que a CADIUM LUBRIFICANTES possui uma linha completa de lubrificantes industriais, inclusive o óleo de corte para mandrilamento sintético e o óleo de corte para mandrilar mineral, para o atendimento das mais diversificadas demandas e necessidades operacionais. Entre em contato com a CADIUM, que a nossa equipe de colaboradores prontamente atenderá à sua demanda indicando o fluído para mandrilar adequado à sua operação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *