O que é um óleo básico mineral?

Quimicamente definimos um óleo básico mineral como sendo uma mistura de hidrocarbonetos líquidos obtidos através de diversos métodos de destilação e de refinação do petróleo. Para se ter uma idéia, da totalidade da produção de petróleo bruto que se é processado no mundo, menos de 2% deste total representa a produção de óleos básicos, e somente 15% desta proporção, representa o volume dos óleos minerais utilizados na fabricação de fluídos de processos ou lubrificantes industriais.

Os óleos minerais possuem uma estrutura química complexa, e com isso propicia a formação de compostos orgânicos com diferentes tipos de cadeias carbônicas e uma enormidade de produtos com pesos moleculares diferentes

O que significa esta diversidade de estrutura do óleo mineral básico?

De acordo com a estrutura química do óleo mineral básico que encontramos na natureza, podemos sub-classificá-los como sendo de origem parafínica (óleo mineral parafínico ou óleo básico parafínico), de origem naftênica (óleo mineral naftênico ou óleo básico naftênico) e de base aromática (óleo básico aromático). Cabe esclarecer que estes sub-grupos são encontrados em todos óleos básicos, sendo que o maior volume de um destes sub-grupos dentro da composição do óleo é que determina o seu nome ou a sua origem, ou seja, se este é um básico parafino, um básico naftênico ou um básico aromático.

O que é um óleo aromático?

São óleos extraídos dos resíduos da destilação do Petróleo. São óleos que possuem em sua estrutura carbônica um anel cíclico de hidrocarbonetos, o anel benzênico. O extrato aromático é um destes óleos. Apesar deste óleo possuir baixa propriedade lubrificante, ele é muito utilizado na fabricação de graxas e usado pela indústria de borracha como um óleo plastificante secundário, onde também é chamado de óleo extensor ou óleo extensor para borracha.

Quais são os óleos parafínicos?

São óleos que possuem uma estrutura molecular na forma de correntes, que apresentam menores alterações da viscosidade com a variação da temperatura, e por isso são muito utilizados na fabricação de lubrificantes. De acordo com o mercado e o país que se está instalada a refinaria de petróleo, se produz diversas frações de óleos parafínicos. No Brasil os óleos básicos parafínicos mais comercializados, são os seguintes:

  •  Spindle ou PSP09: é um óleo de baixa viscosidade, popularmente chamado de óleo fino. O óleo spindle é aquele óleo amarelo claro vendido para lubrificar as maquinas de costura. Tecnicamente falando é um óleo com 9 segundos de viscosidade Centistokes à 40ºC (10 cSt).
  • Neutro Leve ou PNL 30: o óleo neutro leve tem viscosidade intermediária (30 cSt), e é muito utilizado na fabricação de lubrificantes industriais.
  •  Neutro Médio ou PNM55: como o nome já diz, o óleo neutro médio possui uma viscosidade mediana (56 cSt), sendo também muito utilizado na fabricação de lubrificantes e de compostos de borracha.
  •  Neutro Pesado ou PNP95: é um óleo que tem 100 cSt de viscosidade. É a viscosidade normalmente encontrada nos óleos lubrificantes automotivos. Então quanto você ver um óleo automotivo de base mineral sendo colocado no motor do carro, saiba que normalmente ele é formulado com o óleo neutro pesado e mais um “pacote” de aditivos.
  •  Bright Stock ou PBS33: por falar em automóvel, o óleo de câmbio que tem uma cor castanha escura, normalmente é formulado com o óleo bright stock (500 cSt). Para suportar o atrito da caixa de engrenagem, a lubrificação das peças exige um óleo básico de viscosidade elevada e uma aditivação diferenciada.
  •  Cilindro: também conhecido como cylinder oil, são óleos básicos que possuem viscosidades acima de 1000 cSt. São óleos indicados para a fabricação de lubrificantes líquidos, notadamente aqueles que terão contado com água, e durante o processo não devem ser removidos com facilidade, como máquinas que trabalham em rios, equipamentos para a indústria naval, entre outros.

O que são os óleos naftênicos e para que servem?

Os óleos básicos naftênicos possuem uma estrutura molecular em forma de ciclos, um estrutura em anel, mas sem duplas ligações. São menos estáveis, apresentam incompatibilidade com materiais sintéticos e elastômeros, mas possuem excelentes propriedades de não congelamento à baixa temperatura. No Brasil, as frações mais comercializadas são:

  • LUB NH10 ou NH10: o óleo naftênico NH10 tem viscosidade similar ao do óleo básico spindle (10 cSt), e é um produto usado como base para a fabricação do óleo para transformador, que é o óleo isolante naftênico colocado dentro dos transformadores de energia que observamos nos postes de energia que estão nas ruas.
  • LUB NH20 ou NH20: o óleo naftênico NH20 possui a viscosidade de 20 cSt, e é utilizado na fabricação de óleo lubrificante solúvel, de antiespumante para a indústria sucroalcooleira, na produção de óleo lubrificante para refrigeração, e de óleo para compressor entre outras aplicações.
  • LUB NH140 ou NH140: apresentando uma viscosidade de 140 cSt, o óleo naftênico NH140, possui as mesmas propriedades a aplicações que a do seu “irmão” de menor viscosidade.

Onde encontrar os óleos minerais básicos?

A Cadium Lubrificantes possui uma linha completa de óleos lubrificantes básicos para o atendimento das suas mais diversificadas aplicações. A linha de óleo lubrificante naftênico chama-se Linha de óleos ALNAP. O óleo lubrificante parafínico está disponibilizado na Linha de óleos ALPAR.

ALBASE A é o nome comercial que a Cadium Lubrificante utiliza para comercializar o extrato aromático. O nosso departamento comercial terá o maior interesse em indicar o melhor óleo básico lubrificante para o atendimento da sua necessidade.

6 Comentários

    • Boa Tarde Fernanda!
      Obrigado pelo elogio. Estamos sempre à procura de melhorar a nossa comunicação com o mercado, não só buscando a realização de negócios, mas produzindo informações que possam ser úteis para serem consultadas.
      Atenciosamente,
      CADIUM LUBRIFICANTES

  1. Boa tarde! Estou maravilhado com esse post é bastante completo! Eu estou fazendo um trabalho sobre óleos lubrificantes e gostaria das referências para poder citar. Muito bom trabalho que continue nos fornecendo conteúdos de tão concisa e clara.

    • Bom dia Hélvio!
      Obrigado pelo elogio e por estar gostando de nossos conteúdos. Os segmentos que atuamos e os produtos que fabricamos são muito técnicos e específicos, estão procuramos abordar os assuntos de uma forma clara e objetiva visando reter a atenção dos leitores, não só o que está diretamente interessado no tema.
      Atenciosamente.
      CADIUM LUBRIFICANTES

  2. Bom dia
    Seu site é sensacional parabéns
    devido números de anéis no centro cíclico no carbono.
    Que diferencia do óleo aromático para o Naftênico em borracha.?

    Quais aspecto visual e químico devo observa ?

    Eu estou sendo controlado a não usar óleo aromático, e gostaria fazer alguns estudo com o Naftênico

    • Bom dia Cesar!
      Entenda que o óleo parafínico não altera muito a sua viscosidade em relação ao aumento da temperatura (possui o índice de viscosidade elevado), e por isso é muito empregado em formulações de lubrificantes.
      Já o óleo naftênico “fica líquido” com o aumento da temperatura, ou seja, a sua viscosidade diminui, não sendo ideal para a fabricação de lubrificantes integrais. Mas ele suporta melhor a redução de temperatura sem congelar, com isso é muito indicado para a fabricação de lubrificantes para compressores de refrigeração e de óleos de corte solúvel, onde a operação exige mais refrigeração do que lubrificação. No passado o óleo naftênico possuía um custo menor que o dos óleos parafínicos. Como normalmente o óleo naftênico tem o ponto de fulgor menor que os dos parafínicos (o que é ruim no processo de vulcanização), há dois motivos do uso do naftênico em borrachas: este histórico anterior de menor custo ou a necessidade da borracha melhor resistir à baixa temperatura. Mas o comportamento do óleo varia de acordo com o tipo de borracha e com isso não é possível dizer que um óleo naftênico que vai bem em uma borracha, terá o mesmo comportamento em todos os demais elastômeros. Tem que analisar a compatibilidade.
      Uma forma de “descobrir” se um óleo é parafínico ou naftênico é observar a sua densidade. Normalmente os óleos parafínicos com viscosidade inferior à 400 cSt à 40ºC apresentam densidade abaixo de 0,88 g/l à 20ºC, sendo que os óleo naftênicos a densidade é superior à 0,90 g/l. Mas a forma mais correta é ver qual é o índice de viscosidade do óleo. Para os parafínico o índice é superior à 80 e para os naftênicos deve ficar entre 50 e 60.
      O extrato aromático que você deve estar utilizando na sua formulação de borracha é um produto barato, que atua como “carga” para baixar o custo da formulação. É um resíduo do fracionamento e não há oleo básico mais barato. Os óleos parafínicos e naftênicos possuem em sua composição, apesar de em menor quantidade, compostos aromáticos. Para uma formulação sem estes contaminantes, só passando a utilizar um óleo mineral branco hidrogenado que apresenta elevada pureza e é atóxico. https://www.cadium.com.br/work/vaselina-liquida-grau-usp-alogro-m-series/
      Esperamos que estas informações te ajude.
      Atenciosamente.
      CADIUM LURIFICANTES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *