Óleo de usinagem: Quais os principais tipos que existem?

Quando falamos de óleo de usinagem existe uma grande variedade de opções. A função dessa substância é a lubrificação e o arrefecimento das peças e ferramentas envolvidas no processo, reduzindo o atrito entre elas e também a temperatura. A ação do fluido facilita ainda o fluxo dos cavacos e reduz a força e a potência do corte. Saiba mais sobre os tipos de óleos para usinagem que existem no mercado.

Soluções ou fluidos sintéticos para usinagem

As soluções ou fluidos sintéticos para usinagem são misturas de água com produtos orgânicos e inorgânicos especiais que conferem propriedades importantes para o uso do produto como fluido de corte. Estes compostos não contêm óleo em sua composição.

Óleo de usinagem integral (fluido integral)

O óleo de usinagem integral (ou fluido integral) é constituído basicamente de óleos graxos e óleos minerais, que podem ser usados puros, misturados ou com aditivos. Podem ser utilizados em processos que envolvem metais ferrosos e não-ferrosos.

Os óleos graxos, de origem vegetal ou animal, foram os primeiros óleos integrais da história, porém sua rápida deterioração e o alto custo fizeram com que eles fossem substituídos por outros produtos. Atualmente eles são usados como aditivos de óleos minerais para usinagem.

Já o óleo mineral para usinagem é derivado do petróleo. O petróleo é uma mistura de hidrocarbonetos (parafínicos, fenólicos e aromáticos), que exigem seleção e purificação antes de serem usados. Este processo é realizado em refinarias, de onde se obtém os óleos que compõem a base dos fluidos integrais.

Óleo solúvel para usinagem

A denominação “óleo solúvel para usinagem” é imprópria, pois o óleo não está solubilizado na água, mas disperso por causa do emulsificador. Apesar disso, é muito comum o uso dessa expressão. As emulsões também possuem aditivos em sua composição, que melhoram ou conferem novas propriedades ao fluido.

De acordo com sua composição físico-química, os óleos solúveis sintéticos são classificados da seguinte forma:

  • Óleo solúvel sintético para usinagem: pode ser composto por polímeros ou por ésteres. A principal diferença entre as duas substâncias é que o de éster é biodegradável, o que oferece maior segurança ao trabalhador e à natureza. É recomendado para usinagem de todos os metais e não-metais.
  • Óleo solúvel mineral para usinagem: é o mais comum devido ao seu preço, porém está mais sujeito à oxidação e degradação quando comparado com o sintético. Possui grande versatilidade de uso, sendo indicado para usinagem de aço com baixo teor de carbono, latão, bronze e ligas leves.
  • Óleo solúvel para usinagem semissintético: é um mix entre os óleos minerais e sintéticos, que visa aprimorar as propriedades do lubrificante. Sua aplicação é voltada para usinagem de metais e não metais em máquinas operatrizes convencionais e CNC.

Gases e Névoas para usinagem

O ar é o mais comum fluido gasoso até mesmo na usinagem a seco. O ar comprimido é utilizado para ampliar a retirada de calor e expulsar os cavacos da zona de corte. Os fluidos gasosos, por possuírem menor viscosidade, têm alta capacidade de penetrar na zona ativa da ferramenta.

Outros gases como argônio, hélio, dióxido de carbono e nitrogênio também são utilizados para a refrigeração e proteção contra oxidação em processos de usinagem, contudo apenas em casos específicos, devido aos altos custos envolvidos.

Graxa para usinagem

As graxas para usinagem são feitas com óleo mineral e Bissulfeto de Molibdênio (MoS2). Elas podem ser aplicadas na superfície de saída da ferramenta com um pincel. Pelas suas características lubrificantes em condições de extrema pressão é recomendada em situações de emergência onde existam altas cargas, que rompam o filme lubrificante do óleo.

A Cadium Óleos Lubrificantes possui uma linha completa de óleo de usinagem, tanto integral quanto solúvel, de bases mineral, sintética e semissintética. Além disso, a empresa ainda conta com diversos lubrificantes de alta performance e qualidade superior para operações industriais de metalworking. Consulte-nos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *