Óleo lubrificante atóxico: classificações e indicações

A produção dos chamados lubrificantes de grau alimentício não difere muito da fabricação dos lubrificantes convencionais, com base em óleos minerais. Em tese, as mesmas instalações de uma fábrica do ramo podem ser utilizadas para a produção dos dois tipos de produtos. A diferença é que na fabricação do óleo lubrificante atóxico são aplicadas regras muito mais rígidas de controle para que seja obtido um produto com o maior grau de pureza possível, evitando qualquer tipo de contaminação.

Regulamentação dos lubrificantes de grau alimentício

A regulamentação de referência, utilizada em todo o mundo, sobre lubrificantes de grau alimentício é do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). Essa entidade definiu designações desses lubrificantes baseados em códigos de regulamentos federais do país. No Brasil, o órgão que regulamenta o uso de lubrificantes atóxicos, de grau alimentício, é o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA), que é subordinado ao MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento).

Classificação do óleo lubrificante grau alimentício

De acordo com a USDA, existem 3 classificações (designações) de óleo lubrificante grau alimentício. A H1 define os produtos que podem ter contato incidental com alimentos. Eles podem ser usados em ambiente de processamento de alimentos, tanto como lubrificantes ou com a função de película protetora em máquinas. Já a H2 designa as substâncias que podem fazer a função de desmoldantes ou de lubrificação em sistemas fechados, sem contato com o alimento. Por fim, a H3, que envolve os lubrificantes conhecidos como óleo comestível ou solúvel, usados para limpeza e proteção contra ferrugem.

Importância do lubrificante atóxico na indústria

As atividades relacionadas à manutenção das máquinas e equipamentos utilizados na produção de produtos alimentícios e embalagens para os mesmos, especialmente no que se refere à lubrificação, devem receber especial atenção. A utilização de lubrificante atóxico, fisiologicamente inerte, sem sabor ou odor, é um item fundamental para a saúde dos consumidores. O lubrificante alimentício deve ser escolhido de acordo com sua classificação e precisa ser fundamentado em um plano de lubrificação, que especifique adequadamente os pontos em que deverá ser aplicado.

A Cadium conta com uma série especial de óleo atóxico (“food grade”) de alta pureza e estabilidade à oxidação, indicada especialmente para a lubrificação geral de maquinário das indústrias alimentícias, farmacêuticas e cosméticas: AZION NA. Esse produto atende plenamente à NBR 15 e NSF. Também considerada atóxico, a linha SUMPOR SYNTH, de óleos sintéticos, também é segura e aplicável em máquinas desses segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *