Espuma no óleo lubrificante pode causar grandes prejuízos. Saiba como evitar!

A formação de espuma no óleo lubrificante é um frequente em alguns sistemas com lubrificação a óleo. Em muitos deles é até natural que isso aconteça pela agitação do produto em presença do ar. A espuma é composta por um conjunto de pequenas bolhas de ar que se juntam na superfície do fluido ou próximo a ele. Em casos mais graves, a espuma pode transbordar para fora da máquina através dos visores, respiradouros e varetas de nível.

Porque é indesejável a espuma nos óleos lubrificantes?

A espuma nos óleos lubrificantes é um problema principalmente quando não se dissipa, pois ela é um eficiente isolante térmico, o que torna o controle de temperatura do óleo bastante difícil quando há formação excessiva. Além disso, a presença de ar em um óleo lubrificante pode levar à sua rápida oxidação, redução das propriedades lubrificantes, cavitação e falhas graves que podem comprometer os sistemas.

Quais as causas da formação de espuma nos lubrificantes?

Contaminação por água, graxa, partículas sólidas, problemas mecânicos, excesso de lubrificante no reservatório da máquina e/ou aditivação incorreta são algumas das causas de formação de espuma nos lubrificantes. Dentre os métodos para se determinar a causa do problema, podemos citar os ensaios de quantificação do volume de água e a contagem de partículas. Quando esse teste não demonstra alteração significativa, pode-se tentar um ensaio de filtração em membrana ou ainda o ensaio de Insolúveis em Pentano (ASTM D4055-E).

Soluções possíveis para óleo lubrificante espumando

Na maioria das vezes, a solução para óleo lubrificante espumando passa pela substituição completa da carga ou drenagem parcial e posterior reposição do fluído. Porém, se houver contaminação do reservatório de óleo lubrificante por outro tipo de produto, provavelmente, será necessária a realização de “flushing”. Esta operação tem custo elevado, principalmente, quando envolve equipamentos que comportam grandes volumes de lubrificante.

Seja qual for o caso, é importante investigar com bastante cuidado a causa da formação de espuma na carga de óleo lubrificante para se evitar esforços e gastos desnecessários. Muitas vezes é preciso realizar filtragem intensa (micragem) para a limpeza do fluido e, se for necessário, trocar o elemento filtrante. A readitivação não costuma ser uma boa solução, pois muitos aditivos não são solúveis ao óleo, eles somente são incorporados à mistura em processos exclusivos de sua fabricação.

Aditivos antiespumantes lubrificantes

Por evitar todo esse transtorno, a Cadium Óleos Lubrificantes utiliza aditivos antiespumantes de alta performance na composição da maioria de seus óleos. Esse tipo específico de aditivo, quimicamente estável, impede a formação de espuma estável e melhora a resistência ao seu desenvolvimento, desmanchando as bolhas de ar no mesmo instante em que elas atingem a superfície livre do fluído lubrificante. Ao utilizar um produto corretamente aditivado, sua empresa melhora os processos produtivos, evita paradas desnecessárias e reduz custos de manutenção corretiva. Solicite seu orçamento.

 

Um comentário

  1. Prezada CADIUM,

    Estou desenvolvendo um trabalho acadêmico no curso técnico em petroquímica no SENAI-CETIND em Lauro de Freitas-BA, direcionado ao envase de vaselina sólida, tendo um foco maior no bico de envase. Se possível, poderiam me fornecer dados relacionados ao bico de envase/maquina de envase utilizada por vocês? Tendo em vista o grande conhecimento por parte de vocês, seria de grande ajuda o retorno deste comentário para auxiliar em nosso trabalho acadêmico.Fico no aguardo.

    Att

    Felipe Tilemann

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *