QUAL É O ÓLEO DE CORTE RECOMENDADO PARA A USINAGEM EM ALUMÍNIO?

A função básica do fluído de corte ou óleo de corte é a de refrigerar a operação. Há operações que podem ser executadas sem refrigeração, mas normalmente elas são melhoradas com a utilização de um fluído refrigerante. Deve se ressaltar que o processo de usinagem sem o uso do fluido de corte implicaria em uma produção bem menor do que é possível ser feito.

Na operação de usinagem normalmente utiliza-se lubrificantes líquidos. O uso de fluido refrigerante, no caso o óleo de corte, tem como principais benefícios, o aumento da vida útil do ferramental, da melhoria do acabamento da superfície do metal, da redução do consumo de energia, além de propiciar uma maior velocidade de corte e conseqüentemente, uma redução no tempo da operação.

Outras funções secundárias dos fluidos de corte também desejadas são as de remover os cavacos pela ação da lavagem, as de proteger contra a corrosão a peça, a ferramenta de corte e o maquinário; além de lubrificar as guias e barramentos.

Um bom óleo de corte tem que ter boas características de desempenho quando exigido, como uma boa capacidade de absorver o calor, não manchar a peça a ser trabalhada, não possuir odor desagradável, ser resistente à oxidação, manter-se estável durante a operação e/ou quando armazenado após o trabalho, além de possuir uma transparência adequada para que o operador possa visualizar a operação de usinagem

Nas operações de usinagem de alumínio, pode se utilizar os óleos de corte integrais sem qualquer problema. São indicados para esta aplicação, os óleos de base parafínica de baixa viscosidade, que devem possuir uma viscosidade cinemática à 40ºC próxima de 10 centistokes (cSt). Estes óleos parafínicos necessitam apresentar uma tensão superficial correta, para assim permitir uma fácil decantação das partículas provenientes da operação. Ao mesmo tempo, estes óleos parafínicos necessitam ter um ponto de fulgor elevado para diminuir a perda do óleo de corte por evaporação, e com isso, gerar um menor consumo.

A aplicação do óleo de cote integral deve ser direta, através de tubeiras direcionadas para a região do corte, próximo à região de fixação da ferramenta de corte, aumentando assim a durabilidade da ferramenta e propiciando um excelente acabamento.

A Cadium Óleos Lubrificantes disponibiliza ao mercado para as operações de usinagem de alumínio em torno automático, em serras e retíficas, várias opções óleo de corte integral, como os lubrificantes AKRA ILO 2009 AL, AKRA ILO 10, AKRA ILO AL e o AKRA ILO BR.

Pode-se optar também por realizar a usinagem de alumínio com óleo de corte solúvel. Ambos os lubrificantes possuem qualidades e deméritos que abaixo comparamos.

Por melhor que seja o óleo de corte integral, ele propicia uma menor decantação de cavacos que a do óleo de corte solúvel. Ele também tem uma maior perda por arraste. Por outro lado, o fluido de corte integral tem um maior poder lubrificante e boas propriedades anticorrosivas. O grande ponto favorável do fluído de corte solúvel está exatamente na sua forma de uso, diluído. A geração de névoas e vapores formados durante a operação são menos toxicas, tornando este tipo de lubrificante o mais aceito pelos operadores, apesar de gerar um maior volume de líquido residual a ser descartado, ocasionado um maior custo de reciclagem para o óleo usado.

Um bom óleo de corte solúvel para alumínio precisa possuir uma aditivação equilibrada, contendo inibidores de corrosão, já que o lubrificante será diluído em água. Também tem que possuir aditivos que garantam a estabilidade da emulsão e biocidas para evitar que emulsão seja atacada por bactérias. Agentes inibidores para evitar o manchamento das peças de alumino também são necessários. É fundamental que também possua um bom pacote de aditivo antiespumante.

Podemos concluir que o óleo de corte solúvel para alumínio é um produto que alia as propriedades refrigerantes da água com as características protetoras e lubrificadoras dos óleos minerais. Essas características podem ser bem exploradas, balanceando se a concentração do lubrificante com a água, que pode variar de 1 a 10%, dependendo da severidade da operação. Esta flexibilidade de concentração permite ao óleo de corte solúvel, atender às exigências de vários tipos de lubrificação industrial.

O ARMILI S 60 é um fluido de corte semi-sintético especialmente formulado pela Cadium Lubrificantes Industriais, para se utilizado nas operações de corte de metais. Nas operações onde se necessita de um bom óleo solúvel para retífica e usinagem leve, o ARMILI S 60 proporciona uma boa lavagem do rebolo ou da ferrramenta de corte, alem de possuir uma boa proteção anticorrosiva. O ARMILI S 60 é um fluido de corte para usinagem de ferro e alumínio, e sua perfeita aditivação o indica para o uso como um óleo e corte para ferro fundido.

Já o VENTURI BIO 340 é um óleo solúvel sintético para usinagem, formulado com bases vegetais e aditivos de última geração, proporcionando um ótimo poder de lubricidade na ferramenta de corte, minimizando o seu desgaste. É um óleo de corte solúvel isento de boro,  que deixa a superfície da peça usinada com um ótimo acabamento, alem de possuir uma ótima proteção anti-corrosiva e uma excelente resistência à contaminação microbiológica.

Tudo sobre fluidos de usinagem você poderá encontrar acessando o site da Cadium Óleos Lubrificantes. Ou entre em contato com o nosso corpo técnico, que lhe apresentará os tipos de lubrificantes e suas aplicações que melhor atenderá às suas necessidades lubrificação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *